noticias Seja bem vindo ao nosso site FUMACA SUL!

Notícias

Sobe para 13 o número de mortos em consequência das chuvas no RS

Há 21 pessoas desaparecidas e mais de 67.860 mil pessoas já foram de alguma forma afetadas

Publicada em 02/05/24 às 13:18h - 17 visualizações

FUMACA SUL


Compartilhe
Compartilhar a noticia Sobe para 13 o número de mortos em consequência das chuvas no RS  Compartilhar a noticia Sobe para 13 o número de mortos em consequência das chuvas no RS  Compartilhar a noticia Sobe para 13 o número de mortos em consequência das chuvas no RS

Link da Notícia:

Sobe para 13 o número de mortos em consequência das chuvas no RS
 (Foto: FUMACA SUL)

As consequências das fortes chuvas que castigam o Rio Grande do Sul desde a última sexta-feira, dia 24, já causaram ao menos 13 mortes. Ao menos 21 pessoas estão desaparecidas e mais de 67 mil pessoas já foram de alguma forma afetadas em todo o estado.

O número de desalojados, ou seja, de pessoas forçadas a deixar suas casas e buscar abrigo na casa de parentes, amigos ou em hospedagens pagas, já chega a 9.993, enquanto os que tiveram que buscar abrigos públicos ou de entidades assistenciais totalizam 4.599.

Segundo o mais recente balanço da Defesa Civil estadual, divulgado ao meio-dia de hoje, ao menos 13 pessoas já morreram e 12 ficaram feridas, em todo o estado, devido às consequências das chuvas intensas. As mortes já confirmadas ocorreram nos seguintes municípios:

Encantado (1);
Itaara (1);
Pântano Grande (1);
Paverama (2);
Salvador do Sul (2);
Santa Cruz do Sul (1);
Santa Maria (2);
São João do Polêsine (1);
Segredo (1),
Silveira Martins (1).

Mais cedo, a Defesa Civil chegou a contabilizar três óbitos em Santa Maria, mas corrigiu a informação ao longo da manhã, informando que uma destas mortes, na verdade, foi registrada em Silveira Martins.

Aulas suspensas

As consequências das chuvas no estado desde a última sexta-feira levaram o governo gaúcho a suspender as aulas em toda a rede pública estadual, nesta quinta-feira, 2, e amanhã, 3.

Segundo a Secretaria de Educação do estado, até o fim da tarde dessa quarta-feira (1º), 315 escolas, em 133 cidades, já tinham sido de alguma forma afetadas pelas chuvas intensas. Destas, 94 unidades comunicaram à secretaria que sofreram algum tipo de dano material e/ou estrutural.

A suspensão da aulas na rede pública estadual segue orientações da Defesa Civil e visa a garantir a segurança de alunos, professores e demais profissionais da Educação, além de reduzir o trânsito de pessoas em um momento de calamidade pública de nível III, ou seja, de grande intensidade, caracterizado por danos vultosos.

Recomendações das autoridades

As autoridades públicas têm recomendado à população que, na medida do possível, permaneçam em casa, evitando se expor a situações de perigo. Ao mesmo tempo, pedem que as pessoas estejam atentas e deixem áreas de risco de deslizamentos, desmoronamentos, alagamentos, enxurradas e outras situações de risco.

“Estamos tendo muita dificuldade de atuação nos resgates. Por isso, precisamos que a população se coloque o máximo possível em condições de segurança. As pessoas às vezes acham que a água não vai chegar nas suas casas, mas estamos alertando que [principalmente] onde ela já chegou no passado, deve voltar a chegar desta vez”, alertou o governador Eduardo Leite, durante entrevista à imprensa, nessa quarta-feira.

Leite usou palavras como “guerra” e “cenário de caos” para expressar o que classificou como “um momento muito, mas muito crítico”. O governador ainda afirmou que a situação deve piorar nos próximos dias, já que a previsão é de que continue chovendo intensamente em boa parte do estado ao menos até o próximo domingo, dia 5.

“Infelizmente, este será o maior desastre que nosso estado já enfrentou. Será maior do que o que assistimos no ano passado”, declarou o governador, referindo-se à tragédia registrada em 2023, quando as fortes chuvas e as consequentes inundações causaram mais de 50 mortes e grandes danos materiais.

Calamidade pública decretada

Assinado pelo governador Eduardo Leite, o decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial do estado na noite desta quarta-feira, dia 1°. A medida estabelece que os órgãos e entidades da administração pública “prestarão apoio à população nas áreas afetadas” por “eventos climáticos como chuvas intensas, alagamentos, granizo, inundações, enxurradas e vendavais”, causando “danos humanos, com a perda de vidas, e danos materiais e ambientais, como a destruição de moradias, estradas e pontes”, além de comprometer o funcionamento de instituições públicas.

O decreto é válido por 180 dias e não impede que o governo estadual reconheça (homologue) decretos de calamidade pública declarados pelas prefeituras. Até o momento, 134 municípios já reportaram prejuízos e danos à infraestrutura decorrentes de alagamentos, transbordamento de rios, deslizamentos ou outras consequências das chuvas e da cheia de rios.

O decreto de estado de calamidade pública é o reconhecimento legal, pelo Poder Público, de uma situação anormal, provocada por desastres, e que causa sérios danos à comunidade afetada, inclusive à segurança e/ou à vida das pessoas. 

Foto: Mauricio Tonetto/Secom

Via Agência Brasil




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (48) 99694 6499

Visitas: 438537
Usuários Online: 7
Copyright (c) 2024 - FUMACA SUL
Converse conosco pelo Whatsapp!